O incoerente “camarada” Gustavo Mavie!

Gustavo Mavie sempre nos habituou a comentar com um prazer masoquista toda a acção da oposição- pior quando for da Renamo. E por esta e outras acções de camaradagem, o Governo da Frelimo sempre encolheu os ombros perante tantos abusos cometidos por Gustavo Mavie, enquanto director da AIM.
A Frelimo sempre foi condescendente a todos os abusos cometidos por Gustavo Mavie, porque tinha nele um lambe-botas-mor. Adulava os governantes frelimistas até com uma dose que roçava à esquizofrenia. Todo o povo moçambicano podia criticar as más acções governamentais, mas Gustavo Mavie sempre estava lá- o único- a defendê-las com unhas e garras.
Muitos podem ter demorado para perceber porquê Gustavo Mavie agia assim. Eram as mordomias frelimistas. Um pouco de sal, açúcar, óleo, arroz…no final de cada mês. E viagens com o chefe do Estado. Com Gustavo Mavie, como director da AIM, praticamente ninguém viajava lá. Era tudo para ele. Os jornalistas tanto se queixaram por este e tantos outros abusos de poder protagonizados pelo seu director, mas a Frelimo sempre foi condescendente. Até que chegou a vez de Filipe Nyusi…e pontapeou o Mavie para bem longe. Agora apanha com dificuldades os trocados frelimistas. Escova, escova, lambe, lambe, puxa o lustre, puxa, puxa….e nada. Mesmo citando o Karl Marx nos debates radiofónicos, parece que a Frelimo de hoje não o quer por nada. De aduladores enche os bolsos de contente.
Jornal Estrela
E Gustavo Mavie agora mudou de táctica. Visto que não alcança as benesses de outrora, agora ataca governantes da Frelimo. O jornal “Estrela”, de 10 de Março corrente faz manchete com o seguinte título: “Mesquita inviabiliza empreendimentos do Estado?” O texto é assinado por um indiano de nome Medji Singh, que o jornal diz que é seu colaborador em Nova Deli (?????). Até prova em contrário, para mim, esse indiano não passa de mais do que uma mera fabricação de Gustavo Mavie. Para ser claro: não existe indiano nenhum. É o próprio Gustavo Mavie que escreveu o texto servindo-se de um pseudónimo.
O texto é bem elaborado, rico em detalhes que podem não provar, mas pelo menos sugerem que Carlos Mesquita, o actual ministro dos Transportes e Comunicações, violou a Lei da Probidade, para beneficiar a sua empresa, a Cornerder. Está de parabéns o Gustavo Mavie. Pelo menos em mais de 20 anos como jornalista, só agora escreveu alguma coisa com pés e cabeça. Encoraja-se exemplos como este.
Carlos Mesquita na foto
Todavia, o que me leva a escrever é que isto é assustador vindo de uma pessoa como o Gustavo Mavie. Em linguagem chula poder-se-ia chamá-lo de cobra. Criamo-la e amanhã nos morde. É o que o Gustavo Mavie fez a Frelimo. Não era membro do partido. Fingia, enquanto lhe garantiam mordomias. Mal lhe foram retiradas, começa a atacar o mesmo partido que o protegeu durante anos, só para chamar atenção. A isto chama-se falta de coerência. Gustavo Mavie não é coerente consigo mesmo!!!
Se desde sempre tivesse atacado o que andava mal no partidão, estaria eu agora a bater palmas pelo seu artigo. Mas defendeu o partido com unhas e dentes. Para ele os mais de 20 milhões de moçambicanos sempre estavam errados quando criticavam a Frelimo. A sua defesa ao partido roçava até ao fanatismo. Não queria saber de patavina. E agora também critica?! Há qualquer coisa errada. Ou o Gustavo Mavie não está bem de cabeça?
Mordomias…mordomias… fazem de louco o pobre de Gustavo Mavie. É no que dá termos analistas políticos de estômago. Não têm ideias próprias. Fazem tudo em troca de um pão e uma chávena de chá!
Nini Satar
Loading...

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.