A tragédia de Caphiridzagem em Tete

A tragédia de Caphiridzagem, em Tete, ocorrido depois da explosão de um camião-cisterna, destapa o véu da miséria em que vive a maior parte do povo moçambicano.
Dirão alguns que aquelas pessoas morreram porque estavam a roubar combustível. Não nego. Mas o que empurrou aquelas pessoas à venda ilícita de combustível? Sem dúvida de que foi a pobreza. A pobreza tem das suas, faz de uma pessoa santa um ladrão.
E em ocasiões destas, não basta o Governo formar uma comissão de inquérito para apurar as causas da explosão. Uma tragédia como esta convoca à reflexão. Aquilo aconteceu em Tete, como podia ter acontecido em qualquer canto do país. São quantas esquinas em Moçambique em que se vende combustível informalmente? Até às barbas do Governo central!
É lamentável. Este país é assolado por todas as adversidades. Tudo de mal acontece em Moçambique: dívidas ocultas, guerra, roubo desenfreado da coisa pública, governantes que gozam com o povo o chamando de patrão….
Tudo isto acontece porque o povo ainda dorme o seu sono secular. Não conhece os seus direitos. Não exige nada. Não reivindica. Só vota e mais nada!
Afinal, qual é a função do Governo? Ou seja, escolhemos um Governo para fazer-se passear de Mercedes, beber whiskies importados, espezinhar o povo? Este Governo há muito que se demitiu das suas funções. Isso de decretar luto nacional em memória das dezenas de pessoas que encontraram a morte em Caphiridzagem não acrescenta nada.
No vídeo aqui postado, pode-se ver que quase toda a população daquele lugar foi atacar o camião-cisterna. Será que todos são ladrões? Este não é a fotografia vergonhosa daquilo que Moçambique é efectivamente?
Quantas comissões de inquérito são necessárias para apurar que o problema de Caphiridzagem, e quiçá de Moçambique no seu todo, é a fome, a pobreza, a miséria? Isto é muito triste.
Esta tragédia desnudou muita coisa. Fez-nos perceber que até nem temos postos de saúde à altura para responder a determinados problemas. Colocou a nu a nossa pobreza colectiva. E o grande problema no meio disto tudo, é que não se vai tirar ilação nenhuma. Não se aprendeu nada. Tragédias como esta ainda vão ocorrer. E comissões de inquérito (“para inglês ver”) ainda serão formadas. Isto é um país mesmo? Tem um Governo responsável?
A estas horas, eu, Nini Satar, me pergunto: quem é o patrão, afinal? O patrão morre a roubar combustível? O empregado assiste de longe pela televisão, sentado na poltrona a beber whisky? Os papéis estão invertidos. O patrão não pode ser aquele que até hoje é espezinhado, o Zé povinho.
Seja como for, eu Nini Satar, solidarizo-me com toda a população de Caphiridzagem, porque tenho consciência que não são ladrões nenhuns. São combatentes da miséria. Foram emboscados numa tentativa mal sucedida de driblar a fome. Tudo isto, se tivéssemos um Governo ciente das suas responsabilidades, não iria acontecer. Viva o povo de Caphiridzagem!
Nini Satar

 

Loading...

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.